¨ sague azul..

Ao toque
da caneta
azul,
por mágica
no papel,
surgem
veias.

O poema
pulsa.

Há vida.